Sancionada a lei que cria o Distrito de Santo Antônio do Porto

  • 11 de abril de 2018

O fim da tarde desta terça-feira (10/04) dificilmente será esquecido pelos moradores de Santo Antônio do Porto, na zona rural de Governador Valadares. Com a presença de lideranças políticas e comunitárias, o prefeito André Merlo sancionou a lei de autoria do vereador Neném do Desidério, que criou o Distrito de Santo Antônio do Porto, um sonho antigo da comunidade.  A solenidade aconteceu nas instalações da Escola Municipal Realina Adelina Costa e contou com apresentações artísticas e mostra cultural, revelando o traçado e as belezas naturais do lugar, cercado por montanhas e cachoeiras.

“O Distrito de Santo Antônio do Porto tem um potencial enorme para o turismo e isso precisa ser melhor trabalhado”, destacou o prefeito André Merlo, após a assinatura da sanção. Além do vereador Neném do Desidério, a Câmara Municipal foi representada pelo presidente, o vereador Paulinho Costa e os vereadores Waldecy Barcellos e Robinho Mifarreg.  Moradores mais antigos do lugar, os aposentados Moacir e Bernardino Quintão também prestigiaram o evento.

“Esse é um momento histórico para a comunidade. A partir de agora, o Distrito pode pleitear recursos por meio de convênios com o Estado e a União, melhorando a qualidade de vida das pessoas. Esse é um sonho que se transforma em realidade”, disse o presidente da Câmara Municipal, Paulinho Costa.

Autor do projeto de Lei que elevou o povoado de Santo Antônio do Porto, à condição de Distrito, o vereador Neném do Desidério disse que esse era uma compromisso assumido com os moradores da comunidade. “Essa era uma necessidade que sentimos nas conversas com a população. Essa região poderá receber mais comércio, tecnologias, serviços públicos, dentre outros e isso refletirá na sede do município com retorno aos cofres públicos instantaneamente”, justificou o vereador.

Ainda conforme Neném do Desidério, Santo Antônio do Porto possui atualmente mais de 480 eleitores.  A Lei Estadual Complementar nº 37/95, que dispõe sobre criação, incorporação, fusão e desmembramento de município, estabelece que para ser elevado à distrito o povoado precisa ter no mínimo 200 eleitores.